AS PENAS DO PAVÃO – Historieta

Dhâranâ 1 a 3 – Janeiro a Março de 1926

Nós todos, sim, nós todos, que andamos pesquisando nos mais ocultos escaninhos, o lugar em que se encontra a Verdade, por vezes temos arrebatamentos inexplicáveis e incompreensíveis.

Basta que nos deslumbre uma pequena fulguração, que nos impressione um simples raio de luz e já estamos anunciando com retumbância que aprisionamos o Sol!…

As ciências e as religiões, nos fornecem diariamente estas efêmeras sensações. A humanidade, que se interessa pela solução de todos os problemas fisiológicos do Além e pelos mistérios vedados às suas profanas investigações, proclama urbi et orbi que já conseguiu penetrar nos arcanos da Natureza, agarrando pelo pescoço a Ave Canora Sagrada.

Mas, o Tempo, o velro e sábio velhinho, o eterno zelador do Fogo Sagrado dos Deuses, sorridente e compassivo, ordena a todos que abram as suas mãos.

Um punhado de penas estão ali aprisionadas.

Ruflando as asas multicores, despreocupada e ligeira, alteia-se com rumo ignorado pelo espaço infinito, a bela e favorita ave protegida de Juno!

Publicidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.